Integrantes de organizações criminosas que atuam em presídios FORAM CONDENADOS PELA JUSTIÇA

 


Trinta e três pessoas foram condenadas pela justiça de Londrina, no norte do estado, por participação em organizações criminosas. De acordo com informações divulgadas nesta sexta-feira pelo Ministério Público do Paraná, que ofereceu a denúncia, essa organização atua em diversos estados do país. As investigações apontaram que os chefes da facção coordenavam crimes, como o tráfico de drogas, de dentro dos presídios. Eles foram investigados durante a Operação Irmandade, deflagrada em 2020 pelo MPPR e pela polícia militar. Na época, 47 mandados de busca e apreensão e 29 de prisão preventiva foram cumpridos em oito cidades: seis do Paraná, uma no Maranhão e outra na capital paulista. Os réus foram condenados por participação em organização criminosa, sequestro qualificado por grave sofrimento físico, tráfico de drogas, associação para o tráfico e falsificação de documento público. Um dos líderes da facção teve a maior pena, de 46 anos e 10 meses de prisão, em regime fechado. Em todas as condenações, cabe recurso. 

Comentários