JULGAMENTO DE MANVAILER ACONTECE AMANHÃ EM GUARAPUAVA



 

O julgamento de Luis Felipe Manvailer foi remarcado para o  amanhã dia 4 de maio de 2021. 

A nova data foi definida após o cancelamento da última sessão do júri, no dia 10 de fevereiro, quando a defesa do réu abandonou o plenário após o juiz negar a utilização de materiais que não estavam nos autos do processo. Na ocasião, o juiz considerou a ação como “abandono injustificado de plenário” e determinou multa de 100 salários mínimos para cada advogado de defesa. Cabe recurso da decisão. 

O professor é acusado de matar a advogada Tatiana Spitzner, com quem era casado. A nova data foi definida pelo juiz Adriano Scussiatto da 1ª Vara Criminal do Tribunal do Júri de Guarapuava.

O advogado que representa a família de Spitzner, Gustavo Scandelari, destaca que a decisão prevê uma saída caso haja abandono de plenário novamente.

Esta é a terceira vez que o júri popular de Manvailer é remarcado. Inicialmente, estava agendado para 3 e 4 de dezembro de 2020. Foi adiado para 25 de janeiro, após um advogado da defesa do réu ser diagnosticado com Covid-19.

A segunda remarcação do júri ocorreu após pedido da defesa do réu por incompatibilidade de datas. Por meio de nota, os advogados de Manvailer afirmam que estarão prontos para participar do julgamento, “desde que não exista compromisso anteriormente designado também envolvendo o réu”.

Preso há dois anos e seis meses na Penitenciária Industrial de Guarapuava, o professor e biólogo Luís Felipe Manvailer vai ser julgado por feminicídio e fraude processual. Ele é acusado de matar a esposa e advogada Tatiane Spitzner por asfixia, jogar o corpo dela pela sacada do apartamento, recolher e abandonar o corpo dentro do imóvel. Tatiane foi encontrada morta em julho de 2018. Se condenado, ele pode ser punido com pena de reclusão de doze a trinta anos.


Comentários