quarta-feira, 15 de maio de 2019

Fabiano de Abreu fala sobre o 'politicamente correto', "Lôraburra" e Ana Paula Almeida

"Sobre falsa comunicação de agressão e até onde alguns se aproveitam da patrulha ideológica e defensora dos direitos humanos para se vitimizarem. "


Mudam-se os costumes e a cultura com o passar das páginas do calendário. A sociedade está sempre mudando para se adaptar às demandas dos novos tempos, novas épocas e demandas. Conhecida como a era do politicamente incorreto, a década de 80 no Brasil era um festival de atitudes que hoje seriam consideradas próximas da barbárie.
Os anos 90 e o consequente fim do século 20 marcaram uma mudança que é sentida nos dias de hoje no que se refere a conduta social que marcou a ascensão do chamado politicamente correto, tornando os nossos dias mais cautelosos e militantes contra o bullying, o insulto e a inferiorização, mas será que não estamos exagerando na patrulha?

Recentemente o cantor e compositor Gabriel o Pensador resolveu alterar os versos de sua antológica “Lôraburra” para uma versão politicamente correta o que gerou elogios e críticas. Na mesma altura, a ex-paquita Ana Paula Almeida aproveitou-se de uma situação irreal para denunciar o ex-cônjuge por agressão e ocasionou um debate na sociedade sobre falsa comunicação de agressão e até onde alguns se aproveitam da patrulha ideológica e defensora dos direitos humanos para se vitimizarem. 

Devido ao movimento causado por todos esses acontecimentos e questionando a metanóia promovida nos últimos anos, o Filósofo e escritor Fabiano de Abreu opinou sobre o tema: ”Na era do politicamente correto, a música "Lôraburra",  do músico Gabriel O Pensador, já não é mais bem vinda e gera preconceito. Naquela época, quando muitas mulheres tingiam o cabelo de loiro e achavam que isso era importante, soava como gozação a esse comportamento e todos caíam na onda. Era como chamar o amigo de “negão” se fosse negro, o que hoje já seria ofensa.Existe um aproveitamento da “moda do politicamente correto” por artistas que desejam ganhar espaço nos tempos de hoje ou de marcas que precisam reciclar o discurso.Vivi um tempo em que as pessoas tinham uma liberdade maior de expressão. Hoje, deve-se ter um cuidado enorme com tudo o que é dito para não ser atacado ou julgado.Estamos na era do pré julgamento, antes mesmo do fazer em sim, já se está sendo julgado. Ao mesmo tempo, estamos vivendo mais a discussão do que seria certo ou errado. Também existem as situações dos aproveitadores e cínicos que usam da tal “moda” como argumento para gerar um debate muitas vezes até redundante, desnecessário ou vazio. Outro caso que entra aqui é o da ex-paquita Ana Paula Almeida, que se auto mutilou e se ancorou na força do feminismo em busca do impacto que buscava.Estamos na era da observação, onde a sinceridade perde para a farsa e a mentira encontra-se em evidência.Como gosto de pensar sempre positivo, quero acreditar que isso é uma transformação. Que a indução do politicamente correto possa fazer com que as pessoas procurem ser mais corretas dentro do padrão social e sem preconceitos. Mas, sinceramente, gostava do tempo em que havia liberdade de expressão, havia menos violência e mais aceitação." disse.

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA
LIGUE JA