sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Como estudar para o Enem?


Organização do tempo é fundamental para se sair bem na prova; mecanismos como aplicativos e plataformas on-line podem auxiliar nos estudos
                
O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que acontece nos dias 5 e 6 de novembro, é uma das principais formas de seleção para candidatos em diversas universidades do país. Com a aproximação da data do exame, quem ainda não começou a estudar com dedicação pode tentar recuperar o tempo perdido, focando sobretudo na redação: ela é responsável por 50% da nota do exame.

                “É preciso criar o hábito de escrever, pelo menos, uma redação por semana”, recomenda a professora de Língua Portuguesa do Colégio Sesi Portão, Jaqueline Flugel. Além da técnica, é necessário, segundo a professora, ficar antenado com o que está acontecendo no mundo – já que o Enem aborda assuntos atuais tanto na redação como nas próprias questões. Política brasileira, crise econômica e contratempos com o Ministério da Cultura são alguns temas possíveis, acredita Jaqueline. “A questão de gênero e padrões de família deve ser algo presente também”, diz.  Portanto, ler jornais, revistas e sites noticiosos, além de buscar publicações que tragam informações sobre geopolítica, é fundamental dentro da rotina de estudos.
Dia a dia
                Além das cerca de cinco horas que os estudantes passam na escola, eles precisam se dedicar em casa. O recomendável, de acordo com a professora de psicologia do IEL Paraná, Elba Neri Moreira de Miranda, é que sejam destinadas três horas ao dia. “É necessário que ele tenha ao menos mais três horas para fazer uma atividade física, ficar com os pais. A sobrecarga de estudos acaba sendo prejudicial pois, no outro dia, o estudante acordará cansado”, ressalta. Dormir oito horas por dia é outra regra, segundo Elba, para que o cérebro funcione bem.
                Nessas três horas, nada de interrupções: deixe uma garrafa de água ao lado e estude de forma contínua. “Se paramos por muito tempo, demoramos a nos concentrar”, explica Elba, que sugere que a rotina seja organizada por um número de disciplinas a cada dia (além da redação, que pode ser encaixada nessas horas). Fazer um mapa mental (diagrama de gestão de conhecimento) de teorias específicas também pode ajudar, fala Elba. “Assim, o estudante consegue fazer uma revisitação mais rápida”.
Aos fins de semana, para alunos que já têm uma rotina de estudo há meses, a psicóloga aconselha estudar por um período (sábado de manhã, por exemplo) e descansar o outro 1 dia e meio. Para quem não está em dia, os estudos devem acontecer nos dois dias, por um período inteiro (manhã ou tarde).
Prova
No dia do Enem, a professora do IEL orienta que o estudante comece pelas matérias que domina. “Depois, vá gradativamente para as mais difíceis. Dessa forma, o tempo é melhor aproveitado. No dia da redação, comece por ela, quando o cérebro está bem descansado, e reserve 40 minutos no final para revisar, complementar, e passar o texto a limpo”, ensina Elba.   
Benefícios do colégio
                Em toda a rede do Colégio Sesi no Paraná, que tem 55 unidades no estado, os alunos contam com aulas da “Superliga”, aos sábados, ministradas tanto pelos docentes do colégio como convidados, e ferramentas como o Geekie Games, plataforma on-line oficial da Hora do Enem, com planos de estudos inteligentes, mais de 600 aulas e simulados do exame. Simulados presenciais também são realizados pelo Sesi – com as mesmas exigências do dia da prova – já a partir do 2º ano do Ensino Médio. “Dessa forma, conseguimos recuperar as dificuldades dos alunos, para que eles cheguem ao 3º ano com um bom nível”, fala a gerente de educação do Sesi Paraná, Lilian Luitz.
Além disso, a metodologia da escola, que trabalha com oficinas de aprendizagem e mediação do conhecimento, é uma vantagem na hora da prova. “Começamos a ensinar o que é pesquisa durante três anos do Ensino Médio, além da interdisciplinaridade que é presente no método. E isso garante uma habilidade boa para o Enem”, frisa a professora Jaqueline.
                Os alunos contam, ainda, com um aplicativo próprio, disponível apenas para os estudantes da rede. Por meio dele, eles têm ajuda para dimensionar o peso das disciplinas, organizar o tempo de estudo semanal e descobrir quais são as 4 melhores habilidades e as 4 dificuldades. Os estudantes podem também realizar “batalhas” pelo aplicativo, que terá prêmios para os melhores colocados.
Sobre o Colégio Sesi
          O Colégio Sesi é a maior rede de Ensino Médio Particular do Paraná, com 55 unidades em várias cidades do estado e mais de 13 mil alunos. Criado em 2005 como iniciativa do Serviço Social da Indústria, o Colégio Sesi estimula os alunos a terem mais autonomia em relação aos seus estudos e prepara para o mercado de trabalho, desenvolvendo competências como o trabalho em equipe, com relacionamento e resolução de problemas. Desde 2014, conta também com o Sesi Internacional, que tem unidades em Curitiba, Ponta Grossa, Londrina, Maringá e Cascavel.
               
                Sobre o IEL
O IEL faz parte do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). Com 47 anos de atuação, promove o desenvolvimento da indústria com a oferta de soluções educacionais e de programas voltados à gestão de talentos, com foco em estágio e trainee.
Por meio da Faculdade da Indústria IEL e da Escola de Gestão, qualifica profissionais em cursos de graduação, pós-graduação e educação executiva, atuando com expertise e metodologias focadas em soluções práticas para as indústrias. Saiba mais em www.ielpr.org.br.

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA
LIGUE JA