quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Rede de restaurantes Madero é alvo de investigação da PF na Operação Acrônimo


A sede administrativa da rede de restaurantes Madero, foi alvo de um mandado de busca na manhã de ontem  terça-feira (13). A medida é parte das ordens judiciais da 7.ª fase da Operação Acrônimo, expedidas pelo Superior Tribunal de Justiça e cumpridas pela Polícia Federal.
O principal alvo da investigação é o empresário Felipe Torres Amaral.
Ele é filho de uma prima da ex-mulher do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT). Felipe Torres foi franqueado do Madero. Ele teve uma loja da rede especializada em hambúrgueres gourmet em um shopping de Piracicaba, interior de São Paulo.
Amaral é suspeito de ter recebido propina da montadora Caoa em troca de isenção fiscal conseguida com a interferência de Pimentel quando ele era ministro do Desenvolvimento, no governo de Dilma Rousseff. A suspeita é de que o dinheiro de propina tenha sido usado para abrir a franquia do Madero em Piracicaba.
Por meio de nota, o chef e presidente do Madero, Junior Durski, informou que a administração dos restaurantes entregou à Polícia Federal os contratos firmados com a F2B Alimentação Ltda., objetos do mandado judicial de busca.
De acordo com o restaurante, Felipe Torres Amaral foi franqueado do Madero de junho a outubro de 2015, quando a franqueadora recomprou a loja e encerrou o relacionamento comercial com o empresário. A nota informa ainda que “o modelo de negócios da Rede Madero é baseado em unidades próprias e que a estratégia da marca é a de seguir expandindo sem novas franquias.”
A rede tem 75 restaurantes em 11 estados brasileiros e no Distrito Federal. O Madero tem ainda um restaurante em Miami, nos Estados Unidos. Desse total, apenas 17 unidades ainda são franqueadas. Na nota em resposta à operação realizada nesta terça-feira (13), Junior Durski manifesta “apoio ao trabalho da Justiça brasileira no combate à corrupção.”
Via Band News

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA
LIGUE JA