quinta-feira, 28 de julho de 2016

EMPREGO E RENDA: FRIMEZA QUER INVESTIR R$ 500 MILHÕES EM FRIGORIFICO E PEDE AGILIDADE AO GOVERNO

INVESTINDO : o investimento inicial é estimado em R$ 500 milhões

Dirigentes da Frimesa Cooperativa Central, estão enfrentando a crise com investimentos e crescimento e  querendo investir ainda mais no Paraná,   reivindicam agilidade nos procedimentos de licenciamento ambiental para que possam dar início às obras de construção de um frigorífico de suínos no município de Assis Chateaubriand, no Oeste do Estado. 
Os presidentes também pedem mais investimentos da Copel na infraestrutura de fornecimento de energia elétrica destinada à unidade industrial. A demanda da Frimesa e das cooperativas filiadas foi repassada ao governador do Paraná, Beto Richa, em reunião no início  no Palácio Iguaçu, em Curitiba.

Participaram do encontro os presidentes da Frimesa, Primato, Copacol e Copagril, respectivamente, Valter Vanzela, IlmoWelter, Valter Pitol e Ricardo Chapla. 
Segundo Valter Vanzela, presidente da Frimesa, o objetivo da reunião com o governador Beto Richa foi relatar os entraves que estão dificultando a implantação do projeto do frigorífico de suínos, unidade industrial que terá, em sua primeira fase, capacidade para abater 7 mil suínos/dia. 
Somente no parque fabril, o investimento inicial é estimado em R$ 500 milhões. “Nossa expectativa é lançar a pedra fundamental da indústria ainda em 2016, com o início do trabalho de terraplenagem. Por enquanto isso não é possível, devido a uma série de obstáculos que estamos enfrentando”, afirmou. “Outro problema que temos que superar é em relação à energia elétrica. Constatou-se que a subestação elétrica de Assis Chateaubriand não comporta instalação industrial e precisa ter ampliação”, disse. De acordo com Vanzela, é importante manter um diálogo constante com o governo do Estado porque à implantação desse projeto até a etapa final, vai gerar mais de 5 mil empregos diretos. 
Capacidade 
Quando concluído, em sua etapa final, o novo frigorífico da Frimesa será o maior do Brasil, com capacidade para abater 15 mil suínos/dia, ou cerca de mil animais por hora. Segundo Valter Vanzela, ao todo, somando aportes na indústria e na adequação das propriedades, o projeto demandará investimentos estimados em R$ 2 bilhões. Cooperativa central com sede em Medianeira, no Oeste do Paraná, a Frimesa é formada pelas cooperativas Copagril, Lar, C.Vale, Copacol e Primato. 
Oportunidades 
Para o presidente da Copacol, Valter Pitol, o impacto do novo frigorífico para a economia estadual será relevante. “Essa nova indústria que será instalada em Assis Chateaubriand será uma grande oportunidade não só para as cooperativas filiadas à Frimesa e seus cooperados, mas também para o desenvolvimento do Paraná. Serão criados inúmeros empregos diretos e indiretos e também a oportunidade de que mais produtores possam vir a participar como fornecedores de suínos ou aumentar suas produções atuais. Por isso é importante termos o apoio do governo do estado neste momento de preparação de toda a infraestrutura do local”, disse. 
Pitol lembrou que com essa nova indústria de abate da Frimesa, apenas os produtores cooperados da Copacol, que hoje fornecem 25 mil suínos por mês, passarão a entregar mais 60 mil suínos, totalizando ao final do processo 90 mil suínos/mês. “Isso tudo impactará diretamente toda cadeia de produção e consequentemente transferindo mais renda para nossos produtores cooperados”, afirma Pitol. 

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA

ENTRE EM CONTATO - SUA PAUTA
LIGUE JA